phone (96) 3223-4242 (96) 99142-4232
Contabilidade para startups exige indicadores específicos

Contabilidade para startups exige indicadores específicos

startup Economia Nacional
Cunha & Tavares
Cunha & Tavares
Escritório de Contabilidade

Especialistas do GBrasil analisam perfil do novo tipo negócio e por que ele demanda mais atenção com dados contábeis

por Diva de Moura Borges

Um dos conceitos mais modernos de empresa startup é a de um negócio disruptivo e inovador, que traz uma forma nova de executar tarefas tradicionais, com um modelo repetível e escalável, exposto a um cenário de extrema incerteza. "Isso significa que não há como afirmar se aquela ideia inovadora irá realmente dar certo ou, ao menos, provar-se sustentável", explica Karina Dias Couto, diretora da Rui Cadete Consultores (GBrasil | Natal-RN). Começaram nessa corda bamba empresas de sucesso como Facebook, Airbnb, Spotify, Uber e a brasileira EasyTaxi. Mas também há inúmeros exemplos icônicos de fracasso, como a de teste sanguíneo Theranos e a do buscador Altavista. Esses casos de derrocada, infelizmente, não são exceções, tanto no cenário internacional como no Brasil. Estudo da Fundação Dom Cabral aponta que 25% das startups brasileiras morrem em seu primeiro ano de atividade e que mais de 50% delas morrerão em até 4 anos de vida.

Variáveis como aportes de recursos insuficientes, desentendimento entre sócios, entrada de outras inovações preponderantes no mercado são frequentemente narradas nas experiências malsucedidas dessas startups. Entretanto, problemas associados à gestão costumam também dar uma rasteira mortal em muitas ideias inovadoras de negócio, promovendo perda de recursos e restrição de acesso aos investimentos de programas de aceleração. Essa é a avaliação de especialistas do GBrasil que atendem startups com vários serviços de gestão.

"A organização financeira é um dos maiores desafios. Os fundadores de startups geralmente tendem a focar no modelo de negócio e não na gestão da empresa. A contabilidade, nesse ponto, pode ter dificuldades com as poucas informações recebidas e a falta de organização", destaca Roger Kaufmann, gerente de atendimento da RG Contadores (GBrasil | Florianópolis-SC) que, desde 2015 mantém clientes nesse nicho. A realidade é atestada por Karina Couto: "Algumas empresas iniciam somente com aportes de investimentos e a intelectualidade dos sócios. Os empreendedores são geralmente pessoas de tecnologia, sem conhecimento sobre gestão e sobre a importância da contabilidade. Muitas vezes, a formalização é negligenciada por conta do foco na ideia".

Ambos os especialistas salientam que uma contabilidade acurada e a produção de indicadores confiáveis – muitos deles distintos de um empreendimento tradicional – são imprescindíveis para a viabilidade do negócio e para atrair investidores. "Além de tratar-se de uma obrigação para qualquer empresa, a contabilidade é fundamental para os potenciais investidores. É com base nela que eles decidem e, por isso, registros contábeis confiáveis agregam valor na avaliação", explica Kaufmann. Karina salienta que essas demonstrações são também extremamente importantes para determinar o ganho efetivo dos sócios iniciais, no caso de venda do negócio.

Bons indicadores e criatividade nos gastos
As análises de startups seguem também uma linha bem diferente das empresas normais. Para estas empresas, mais importante do que a liquidez ou o endividamento, é mostrar a capacidade de crescimento da receita e a sua escalabilidade. "Significa crescer cada vez mais, sem que isso influencie no modelo de negócios. Crescer em receita, mas com custos crescendo bem mais lentamente. Isso fará com que a margem seja cada vez maior, acumulando lucros e gerando cada vez mais riqueza", esclarece Karina. Outros dados sinalizadores são a taxa de retenção de clientes e o churn – quantidade de clientes que deixam de usar o produto/serviço. "Para os clientes que atendemos, além desses indicadores, apresentamos o Ebitda regularmente, para que eles acompanhem esse resultado que muitas vezes é utilizado como fator de avaliação nas aquisições desses negócios", explica Karina.

indicadores_mais_usados_por_startups

Roger Kaufmann orienta o empreendedor a ser criterioso e também criativo na hora gastar o dinheiro. "Por exemplo, usar ferramentas gratuitas e redes sociais para alavancar os negócios, pois nem sempre 'queimar dinheiro' vai melhorar a performance de vendas". Ele cita o caso de uma startup de sucesso que, como recurso de divulgação do negócio, criou uma comunidade dentro de um grande site voltado para sua área.  "Por 3 anos foi a maior comunidade do site e ele não gastou nada, só gerou conteúdo. O empreendedor confessou que se tivesse dinheiro naquela época, pagaria uma fortuna para ser patrocinador do site". Outra dica do gerente de atendimento da RG Contadores é buscar o smart money. "Dinheiro de investidores experientes e profissionais que auxiliam na gestão, oferecem mentoria e network no mercado de atuação, conectando clientes, parceiros e fornecedores que agregam. Isso pode ser um diferencial no negócio", diz.

Rebeca Cavalcanti, da RC Assessoria Contábil (GBrasil | João Pessoa-PB), aconselha os empreendedores de startup a fazer planejamento mínimo para analisar a viabilidade do negócio, com o apoio de um contador.  "É possível ter uma noção do custo e, principalmente, dos prazos de legalização". Outro ponto é conversar bastante com os sócios sobre o papel de cada um na empresa, para que um não se ache "explorado" pelo outro. "A sociedade deve ser feita com cuidado e os papéis de cada um bem definidos", observa Rebeca. Ela sugere o uso de ferramentas como o Trello, que facilita a visualização das atividades de cada um, eliminando sensação de que só uma parte dos sócios está trabalhando. Outra dica da contadora é o acompanhamento atento dos editais de incentivo a startups e de programas de aceleração.


INFORMAÇÃO DE QUALIDADE E NO PRAZO COMBINADO

rodrigo-gregory-ts

O engenheiro de produção Rodrigo Gregory, ex-consultor do Fundo Criatec do BNDES para a Região Sul do País e mentor de várias startups em programas como Inovativa Brasil e Social Good Brasil, é bastante criterioso quando o assunto é contabilidade. "Acompanhava cinco startups pelo Criatec e a contabilidade sempre era um problema; um desafio mesmo. Precisávamos encaminhar os dados de desempenho das empresas no 7º ou 8º dia útil do mês para os gestores e investidores do Fundo. Era um estresse muito grande porque o contador sempre atrasava devido à ausência de um ou outro relatório ou documento. Mas, eu entendia que a obrigação de cobrar dos gestores essas informações em tempo hábil também era dele", relata.

Foi nesse período que Gregory teve contato com a RG Contadores (GBrasil | Florianópolis-SC), que já possuía em carteira uma das empresas atendidas pelo Fundo. "O que mais nos chamou a atenção foi a postura dos profissionais, em especial o atendimento de interface, que era o Roger. Sempre vemos o contador como um cara que trabalha para o Governo, sem olhar ou defender os interesses do empresário. Com a equipe da RG era totalmente diferente. Notamos o cuidado em todos os aspectos: na emissão da nota fiscal, na escolha do CNAE, na interpretação e estudos das normas do setor, tudo da forma mais sensível à realidade do empresário. A informação sempre vinha com qualidade e no prazo combinado", relata.

Mais tarde, Gregory assumiu a gestão financeira da Nano Vetores S.A. levando consigo a experiência positiva da RG Contadores. Quando decidiu abraçar sua própria startup, em 2016, não teve dúvidas em trazer a empresa contábil como fornecedora. "Temos uma relação bem boa e transparente.  E isso é bom não somente para uma startup, mas para todas as empresas, todo tipo de negócio. E especialmente para as startups, que tomam riscos e geralmente operam em zonas cinzentas das leis, porque muita coisa não foi ainda regulamentada", afirma.

A startup de Gregory, a Troco Simples, foi originalmente montada em Lages (SC) e depois migrada para a capital, Florianópolis.  Sua solução atende varejistas e consumidores por meio de uma carteira de troco digital, aliviando a crise de falta de moedas no mercado.  A verdade é que 35% das 25 bilhões de moedas emitidas no Brasil se perderam ou estão guardadas em algum canto. E não existe previsão de novas emissões pelo Governo, já o que valor de produção das algumas moedas é bem maior do que o seu valor de face.  Com o Troco Simples, o cliente fornece o CPF e depois acessa uma carteira digital, que pode ser usada para novas compras, recarga de celular ou ter seu valor transferido para conta corrente.  Como depende de integração com sistemas PDV e TEF de varejistas e bancos, a solução atua apenas em alguns estados. Os cinco sócios da startup já captaram R$ 1 milhão de investidores-anjos e de programas de aceleração, como Darwin Startups, Liga Ventures e iDEXO.  Para acelerar o crescimento do negócio no País, pretendem captar até R$ 5 milhões nos próximos 12 meses.


ACELERANDO A CONTABILIDADE DE UMA SCALE-UP

bloco3a

O crescimento exponencial da startup AutoForce, criada há quatro anos em Natal (RN), permitiu que ela fosse aprovada este ano em dois programas de aceleração: o Inovativa Brasil, do Ministério da Economia, e o Scale-Up, da Endeavor. Ela é dona do Autódromo, plataforma de marketing digital especializada no setor automotivo, que atende hoje 589 concessionárias em todo o País. Além de promover o crescimento em até 10 vezes das vendas digitais de seus clientes, neste ano a startup decidiu que era hora de acelerar o seu negócio na parte contábil.

"Devido ao nosso rápido crescimento, chamamos a atenção do mercado e de investidores. Isso nos exigiu uma nova postura em gestão, com determinação de métricas que possam traduzir o valuation da empresa. Percebemos que precisávamos ter um fornecedor contábil que pudesse acompanhar nosso ritmo", relata o CEO da AutoForce, Tiago Fernandes.

O grande desafio, segundo Fernandes, é que uma startup não é uma empresa convencional, ela busca validar seu modelo de negócio, que é de base tecnológica, e tem muitas incertezas. "As coisas mudam rápido e é preciso ajustar. Mas isso não significa que ela não tenha que ter indicadores financeiros precisos, do dinheiro que entra e sai, entender o grau de "felicidade" do cliente e se ele está efetivamente pagando por isso. E a contabilidade é muito importante nesse contexto".

Influenciada pelo bom conceito da empresa contábil e, também, por sua experiência com startups, a AutoForce contratou, em maio, serviços da Rui Cadete Consultores (GBrasil |Natal-RN). "Sempre nos preocupamos desde o início com questões jurídico-contábeis e, logo no primeiro contato, percebemos o conhecimento da equipe Rui Cadete sobre nossa área. Eles entendem nosso jargão e dos indicadores que precisamos", afirma.

Nesse momento, a startup estuda a migração da empresa de LTDA para uma S.A. de capital fechado, assim como de um regime de tributação Simples para o de Lucro Presumido ou Lucro Real. A AutoForce começou com capital próprio dos sócios Tiago Fernandes, Isaiane de Mendonça, Clênio Cunha e Mateus Araújo e passou pela incubadora do IFRN (Instituto Federal do Rio Grande do Norte). Desde então, a plataforma já gerou mais de R$ 550 milhões em faturamento para o setor automotivo.

Fonte: GBrasil

Quais os riscos de transmitir arquivo do SPED Fiscal zerado ou com dados incompletos?
17 Out 2019 Legislação
Contabilidade para startups exige indicadores específicos
08 Out 2019 startup
Sua NF-e Tem Selo Fiscal Eletrônico? Saiba Como Consultar! (AP)
04 Out 2019 Amapá
newsletter

Cadastre-se

E receba conteúdos exclusivos diretamente no seu e-Mail!